Arquivo | Maio, 2011

O retorno!

29 Maio

O blog andou abandonado por um bom tempo.  Acabei desanimando porque, na realidade, acho que criei o blog com a proposta errada. Queria sim discutir temas relacionados a vida de aupair, mas, mais do que isso, gostaria de um espaço para  compartilhar o zilhão de dúvidas que permeiam este meu ser. E quem sabe conseguir respostas para todos os porquês que me rodeiam. Esperava que as pessoas também estivessem passando pelas mesmas coisas e, com isso, eu pudesse me sentir normal. Uma pessoa como outra qualquer que tem dúvidas, anseios, medos. Enfim, estando prestes a mais uma grande mudança, achei que fosse hora de retomar o blog e, agora sim, não me prender ao tema inicial e usá-lo de maneira geral. Falar sobre tudo que passa por essa cabecinha mirabolante.

Eis, então, que fica oficializado o RE-nascimento do blog!

A minha temporada irlandesa está chegando ao final e fazendo uma retrospectiva (alla retrospectiva da Globo) pude me dar conta de quantas coisas vivi e vi nestes últimos dois anos e meio.

A Irlanda, também conhecida como o tigre celta, chegou a ser o país desenvolvido com o maior crescimento do PIB, mas em 2008 o país teve a primeira queda  depois de mais de uma década de crescimento contínuo. And guess what? É exatamente em 2008 que eu aterrisso em terras geladas. Antes de embarcar, li muito e vi que a brasileirada dizia que já não era tão fácil encontrar emprego e que as coisas estavam começando a ficar difíceis. Antes disso, era absolutamente normal ter 2 empregos e a busca por um não era nada difícil. Placas espalhadas por pubs e cafés. Mesmo apreensiva, fiz as malas e vim com a cara e a coragem. Pude constatar que as coisas realmente não estavam boas e conseguir um emprego era um mix de QI (quem indica – que na Irlanda funciona muitíssimo bem), sorte e força de vontade. Depois de muitos bicos – entregar jornal de madrugada debaixo de chuva, neve etc, faxinas – decidi que seria melhor ser aupair. Três meses após minha chegada, me mudava pra casa de uma família irlandesa com três crianças: 6, 8 e 10 anos. Me adaptei muito rápido e houve uma química ótima com as crianças, tanto que ainda estou com eles.

Nesse meio tempo vi a Irlanda ir de mal a pior. A crise que atingiu quase o mundo inteiro no ano passado, devastou o país. Quebrou bancos, reduziu o salário mínimo, aumentou significativamente  o índice de desemprego, fez com que novas regras de imigração fossem impostas para diminuir o número de imigrantes. Foi um dos países mais afetados pela crise.

E os fenômenos naturais. No ano passado ficamos ilhados alguns bons dias devido a erupção de um vulcão na Islândia. Centenas de vôos cancelados (incluindo o meu), milhares de euros perdidos e muitas pessoas presas em aeroportos. Não satisfeito, o bendito vulcão (ou outro, não sei ao certo), decidiu dar o ar da graça de novo. Não chegou a afetar a Irlanda ainda e, espero, que não afete.

O clima. Ah, isso é um assunto diário por aqui. Se o sol dá as caras, você certamente ouvirá de um irlandês “It’s such a lovely day, isn’t it?” e você será obrigado a sorrir e responder “Yeah…yeah”.  Quando no fundo a vontade é dizer que não…haha. O verão passado não foi tão ruim, mas esse, não sei; tenho um feeling que não vai ser bom. Estamos quase em junho e as temperaturas têm ficado sempre entre 12-15 graus, mas o problema não é a temperatura e sim o vento insuportável que tem feito e as intermináveis pancadas de chuva. O inverno? Ufff…esse foi forte esse ano. Nevou como não se tinha visto nos últimos 50 anos. Ai, que bom fazer parte da história da Irlanda, né? Vivenciar o inverno mais frio das últimas décadas, tudo que um brasileiro realmente precisa pra ser feliz.

E não é tudo. Fazendo parte da História. Dias atrás estiveram em terras geladas a rainha Elizabeth – pela primeira vez depois da emancipação do país do Reino Unido – e o presidente dos EUA, Barack Obama – o último presidente americano a pisar em solo irlandês tinha sido Bill Clinton há mais de 10 anos (se não me engano).

Ahh…também teve realização de sonho. Sabe o show da sua vida? Aquele artista que você acompanha desde a adolescência. Então, tive direito a realizá-lo. Shakira veio a Irlanda pela primeira vez ano passado e lá estava eu, feliz da vida.

Viagens. Viajei muito, mas poderia ter viajado mais com certeza. Conheci lugares lindíssimos e pessoas fenomenais.

Estes últimos anos foram, sem dúvida, de muito crescimento pessoal e aprendizagem. Tantas pessoas bacanas, que, infelizmente, não verei mais. Mas serão sempre parte dessa fase maravilhosa da minha vida.

Será impossível esquecer tudo o que vivi aqui, mas chegou a hora de viver outras experiências. Em poucos dias me mudo pra Itália. Diferente da Irlanda, onde tinha tudo planejadinho, a Itália será um golpe de sorte. Nada muito certo ainda, mas uma vontade  enorme de fazer com que as coisas dêem certo por lá.

 A Irlanda estará sempre no meu coração. Não é um adeus.

Chífidh mé – Até logo! (Acho que é assim que se escreve) 

Anúncios